24° Congresso Cearense de Cardiologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CARDIOMIOPATIA PERIPARTO COM COMPLICAÇÕES EM PUÉRPERA: UM RELATO DE CASO

Resumo estruturado

INTRODUÇÃO: A cardiomiopatia periparto (CMPP) é uma complicação incomum da gravidez e continua sendo uma das principais causas de morbidade e mortalidade materna. Estudos mais recentes apontam uma prevalência de 1 em cada 2.000 partos. A apresentação clínica é semelhante à de outras formas de cardiomiopatia não-isquemia, com início na última parte da gravidez ou nos primeiros meses pós-parto. Consiste numa doença rara, porém com elevada mortalidade materna, variando entre 10 a 32%. Existe uma grande necessidade de terapias mais direcionadas para melhorar os resultados naquelas mulheres cuja probabilidade de recuperação na terapia convencional é diminuída. Pacientes com FE (fração de ejeção) deficiente na apresentação e com maior grau de dilatação do VE (ventrículo esquerdo), ≥6,0 cm, parecem predizer pior recuperação subsequente com terapêutica convencional. RESULTADOS: D.M.F.S., gênero feminino, 27 anos, negra, procedente de Iguatu, foi admitida na unidade coronariana do Hospital do Coração do Cariri devido a quadro de miocardiopatia periparto. Paciente com história de pré-eclâmpsia, submetida à cirurgia cesariana há 35 dias, durante idade gestacional de 40 sem. e 35 dias, evoluiu com dispneia, ortopneia, com sono prejudicado, taquicardia, hemoptise, palidez, edema importante em MMII, mialgia em membros, abdome distendido, com dificuldade para deambular, com saturação ao ar ambiente de 93%, frequência respiratória de 30 irpm, afebril, consciente, orientada, verbalizando, com pressão arterial de 100 X 60 mmHg. Fora admitida no Hospital de Iguatu onde foram realizados os atendimentos iniciais. Nega comorbidades prévias (hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, cardiopatia pregressa, tabagismo, etilismo). Nega uso de drogas ilícitas. A radiografia de tórax revelou um aumento da área cardíaca. O eletrocardiograma registrou baixa voltagem do QRS. O ecocardiograma transtorácico (ECO-TT) constatou uma FE de 42%; átrio esquerdo aumentado (4,1 cm) ventrículo esquerdo com aumento de diâmetro diastólico final de 6,6 cm; diâmetro sistólico final de 5,2 cm; aumento de volume diastólico final (220 mL) e volume sistólico final de 128 mL; disfunção sistólica importante de VE; câmaras direitas normais; hipocinesia difusa de VE; insuficiência mitral discreta, insuficiência tricúspide moderada; pressão sistólica em artéria pulmonar estimada em 40 mmHg. Foi identificada uma imagem hipoecoica em segmento apical de ventrículo esquerdo, medindo 2,5 cm x 3,9 cm, compatível com trombo. O quadro clinicou se agravou com insuficiência respiratória franca, sendo necessário a intubação orotraqueal e ventilação mecânica invasiva. Foi introduzida sedação e iniciada heparina. Paciente segue grave, porém estável com suporte intensivo. CONCLUSÃO: Trata-se de um relato de caso de miocardiopatia periparto que se instalou após 35 dias do parto em uma jovem, que apresentou um intenso desconforto respiratório inicialmente e evoluiu com gravidade do quadro clínico.

Palavras-chave (de 3 a 5)

Heart Failure; Peripartum cardiomyopathy; Pregnancy.

Área

Clínico

Autores

SÂMIA ISRAELE BRAZ DO NASCIMENTO, José Mozart Ribeiro Neto, Hérbert Lima Mendes, D'ávila Suyane Belém de Lima, Railane Sousa Arrais de Morais, Angelo Cantalice Freire da Silva, Ítalo Marcelo Maia Marques, Leonardo Nunes Ferreira, Albérico Macedo Bertino de Sá Rodrigues