24° Congresso Cearense de Cardiologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

COMPLICAÇÃO MECÂNICA PÓS- INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DE SEGMENTO ST: UM RELATO DE CASO

Resumo estruturado

INTRODUÇÃO: O IAMCSST (infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento de ST) é a causa mais comum de morte no mundo e pode apresentar complicações mecânicas, como a comunicação interventricular. Está relacionada ao IAM extenso de parede inferior, porém pode ocorrer na porção apical do septo, relacionada a extensos infartos de parede anterior. O estudo Doppler e o mapeamento de fluxo em cores demonstram a localização da comunicação interventricular e sua magnitude. DISCUSSÃO: A.B.B., gênero masculino, 61 anos, procedente e residente em Iracema, Ceará, divorciado e católico, foi admitido no Hospital de Messejana com o quadro de precordialgia. Referiu dor torácica, do tipo A, definitivamente anginosa, que iniciou, nesse mesmo dia, pela manhã. Referiu dispneia e diaforese associadas. Nega: tosse, febre, síncope. Relatou quadro similar há 06 dias. Nessa ocasião fora atendida em outro hospital, onde recebeu apenas medicamentos sintomáticos. Nega comorbidades (hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus) prévias. Afirma tabagismo de longa data, carga de 20 cigarros/dia. Ex-etilista há cerca de 15 anos. Sem história familiar de doenças cardiovasculares. Ao exame físico, estava hipocorado (+1/4+), dispneico, hipotenso (90 x 40 mmHg) e taquicárdico. Na ausculta cardiovascular, apresentava um sopro sistólico panfonético, + audível em foco mitral com irradiação para axila (+3/6+), pulso forte e regular. Extremidades normoperfundidas, sem cianose/edema. Sem alterações no aparelho respiratório e outros sistemas. A radiografia de tórax revelou congestão pulmonar difuso. No eletrocardiograma, foi detectado um IACMCSST em parede inferior com ST prolongado, subagudo, com presença de onda Q patológica em parede inferior. Os exames laboratoriais requisitados comprovaram o infarto agudo do miocárdio (IAM), a CK-MB foi de 53, e o valor de Troponina I quantitativa foi reagente e maior que 1. A conduta terapêutica inicial foi baseada para o infarto agudo com supra de ST, AAS 300 mg, Clopidogrel 300 mg associado à administração de heparina e dobutamina (05mcg/Kg/min.) em bomba de infusão. Realizado Ecocardiograma transtorácico (ECO-TT) beira-leito de urgência, foi detectado acinesia de parede inferior e ínfero-lateral septal compatível com grande CIV (comunicação interventricular) pós-IAM medindo 16 mm; disfunção sistólica do ventrículo esquerdo leve; FE (fração de ejeção) 43 %; disfunção diastólica tipo II do VE; PSAP (Pressão sistólica de artéria pulmonar) = 61 mmHg. A angiocoronariografia evidenciou uma oclusão em terço médio de artéria coronária direita, e a ventriculografia também constatou a CIV. O parecer da cirurgia cardíaca foi solicitado. CONCLUSÃO: Trata-se de um relato de caso de paciente vítima de IAMCSST, diagnosticado em fase subaguda, e a partir de uma complicação, a CIV. Cerca de 6 dias antes, apresentara precordialgia que foi tratada somente com medicamentos sintomáticos, sem investigação clínica.

Palavras-chave (de 3 a 5)

Heart; Myocardial Infarction; Ventricular Septal Rupture;

Área

Clínico

Autores

Sâmia Israele Braz do Nascimento, Railane Sousa Arrais de Morais, José Mozar Ribeiro Neto, Hérbert Lima Mendes, Bárbara Torquato Alves, Kevellyn Cruz Aguilera, Wendney Hudson de Alencar Fontes, Juliene Maria de Luna Albuquerque, D'ávila Suyane Belém de Lima