30° Congresso Cearense de Oftalmologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Neuropatia óptica e glaucoma: relato de uma anfibologia diagnóstica

Objetivo

Relatar o caso de um paciente com glaucoma e neuropatia óptica atendido em hospital de referência em oftalmologia em Fortaleza – CE.

Relato do Caso

Paciente, 39 anos, masculino, pseudofácico em ambos os olhos (AO), encaminhado ao serviço de referência em glaucoma com o intuito de se submeter à trabeculoplastia, visto que seu campo visual piorava mesmo com tratamento medicamentoso máximo. Negava histórico familiar para glaucoma. Não apresentava comorbidades. Ao exame oftalmológico, acuidade visual com a melhor correção óptica (AVC/C) era movimento de mãos (MM) em olho direito (OD) e 20/20 em olho esquerdo (OE). À biomicroscopia, evidenciava-se hiperemia conjuntival 3+, sem outras alterações e tonometria de aplanação 10 mmHg em AO. À fundoscopia, constatava-se estreitamento arteriolar com aumento do reflexo dorsal dos vasos (retinopatia hipertensiva?), além de nervo óptico de tamanho médio com palidez 3+/4+ maior do que a escavação que era de OD 0,55 OE 0,65. A gonioscopia estava normal em AO. Paquimetria ultrassônica era de 552/550 micras. Campimetria computadorizada (CV) revelava campo negro em OD e anular em OE. Tomografia de Coerência Óptica demonstrava disco óptico de 1,57/1,69 de diâmetro, com escavações verticais de 0,76/0,82 e diminuição superior e inferior da camada de fibras nervosas em AO. Ressonância Nuclear Magnética (estava sem alterações), avaliação cardiológica (ECG normal, sem sinais de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e ecocardiograma com derrame pericárdico leve). Após 2 meses da primeira consulta, mesmo sem mudança em seu tratamento, a AVC/C melhorou em OD (20/50) e manteve-se normal em OE.

Conclusão

O quadro de baixa da acuidade visual intensa em um olho (MM), a idade (39 anos), a palidez do nervo, com escavações aumentadas, mas que não justificavam a perda importante de CV, além da melhora considerável na AV sem tratamento, falavam a favor de neurite óptica inespecífica, tendo em vista o resultado normal da RNM. Importante ressaltar o quadro sugestivo de HAS, mas com exames cardiológicos iniciais normais, fazendo-se necessário melhor investigação com MAPA e HOLTER.

Área

Oftalmologia

Autores

MARIANA VIEIRA PINHEIRO, Amanda Gomes de Vasconcelos, Vinícius José Fernandes Dias