30° Congresso Cearense de Oftalmologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFURAÇÃO CORNEANA SECUNDÁRIA AO USO DE MITOMICINA C TÓPICA: RELATO DE CASO

Objetivo

Relatar o caso de um paciente acompanhado no ambulatório do Banco de Olhos de Sorocaba/SP, que foi submetido à exérese de tumor conjuntival, utilizou mitomicina C tópica após o procedimento, e evoluiu com perfuração corneana.

Relato do Caso

CLSF, 66 anos, compareceu ao serviço de córnea do Banco de Olhos de Sorocaba/SP, em fevereiro de 2019, relatando baixa acuidade visual (conta dedos a 1,5 m) em olho esquerdo (OE). À biomicroscopia de OE: perfuração corneana, siedel positivo, pterígio em região nasal e corectopia; olho direito sem alterações, acuidade visual sem correção 20/100. História pregressa de exérese de tumor conjuntival em OE em janeiro de 2019, quando foi prescrito mitomicina c tópica. Após 1 mês de uso, evoluiu para perfuração ocular. Optou-se então por tratamento com cola de cianoacrilato. Dois meses depois, paciente retornou com siedel positivo, sendo indicado transplante eletivo. Durante o procedimento, foi realizada exérese da lesão sugestiva de pterígio, cujo anatomopatológico resultou em neoplasia intraepitelial grau I com margens livres. Devido à possibilidade de acompanhamento e a presença de margens tumorais livres, optou-se por conduta expectante. Paciente segue em acompanhamento, com melhora da acuidade visual.

Conclusão

A mitomicina C tópica vem sendo utilizada no pré-operatório de exérese de pterígio recidivado, como modulador em cirurgias refrativas, no tratamento das neoplasias intra-epiteliais corneanas, entre outros. Sua vantagem é oferecer altas concentrações na superfície ocular, sem apresentar efeitos colaterais sistêmicos significativos. As consequências em longo prazo de ciclos prolongados não são bem conhecidas e o regime ideal vem sendo aperfeiçoado. Dentre as complicações já relatadas relacionadas à mitomicina C tópica estão as ceratites, edema de córnea, calcificações esclerais, necrose de córnea e esclera, corectopia, catarata, glaucoma secundário e endoftalmite. A perfuração ocular não é complicação prevalente em usuários de mitomicina C tópica pós exérese de tumor de superfície, porém deve ser sempre lembrada devida sua gravidade.

Área

Oftalmologia

Autores

INGRID CAVALCANTE SARQUIS, Lorena Ribeiro Ciarlini, Vitor Cruz Furtado