30° Congresso Cearense de Oftalmologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

FUNDOSCOPIA DE ESTUDANTE PARA ESTUDANTE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Objetivo

O trabalho visa avaliar a utilização de modelos sintéticos no processo de ensino do exame de fundoscopia e relacioná-los com o melhor desempenho técnico-teórico dos alunos, por meio da vivência ativa de uma prática médica fundamental para a conduta clínica.

Método

A oficina foi conduzida por alunos da Liga de Oftalmologia da Universidade de Fortaleza, previamente capacitados pelo professor orientador. Quinze alunos de diferentes faculdades se inscreveram para a atividade. Na primeira etapa foi realizada uma capacitação teórica sobre o exame de fundo de olho com duração de 40 minutos. Em um segundo momento, os participantes foram para capacitação prática com a utilização de um modelo artificial de fundoscopia (Eye Examination Simulator®).

Resultado

O uso do simulador permitiu aos alunos uma compreensão mais rápida dos conceitos básicos para domínio da técnica e também tornou possível a identificação de alterações oculares características de doenças prevalentes em curto espaço de tempo que não seria possível de outra maneira. Os alunos puderam vivenciar a técnica em todos os seus aspectos devido a possibilidade de repetição dos passos do exame e ainda a disponibilidade de variações de graus de dificuldade, como o tamanho da abertura pupilar. O papel de tutor exercido pelo alunos da Liga foi melhor facilitado no modelo simulado do que seria com pacientes reais e ainda permitiu a discussão dos achados e repetição de um determinado passo quantas vezes fosse necessária. Todos os participantes concordaram que o modelo sintético tornou a aula mais didática e eficaz.

Conclusão

A utilização do simulador de fundoscopia, Eye Examination Simulator® tornou o aprendizado da técnica mais fácil, mais sistematizado e mais eficaz. A ferramenta também permitiu a discussão de achados de doenças como Diabetes Mellitus e Hipertensão Arterial Sistêmica, sem a necessidade de examinar um grande número de pacientes. Os alunos se sentiram mais seguros para a prática do exame na consulta clínica após o uso do simulador.

Área

Oftalmologia

Autores

ADAH SOPHIA RODRIGUES VIEIRA, BÁRBARA CARNEIRO DE HOLANDA, CAROLINE DE MENEZES GUERRA, MARIA CLARA CORREIA FORTES, THIAGO MATOS ALBUQUERQUE FONSECA, JAILTON VIEIRA SILVA