30° Congresso Cearense de Oftalmologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HIPERTENSÃO OCULAR SECUNDÁRIA A FÍSTULA CARÓTIDO-CAVERNOSA: UM RELATO DE CASO

Objetivo

Relatar um caso de fístula carótido-cavernosa e suas repercussões oculares.

Relato do Caso

CBC, 69 anos, feminina, com queixa de edema na pálpebra, dor, olho vermelho e zumbido no ouvido direito há cerca de 02 meses. Hipertensa e Diabética. Nega traumas, doenças ou cirurgia ocular prévia. História familiar de glaucoma (Primos). Ao exame oftalmológico, acuidade visual c/c: 20/25 em olho direito (OD) e 20/20 em olho esquerdo (OE) e proptose à direita, com limitação à abdução. À biomicroscopia CAF média rasa; manchas azuladas hiperpigmentas em região escleral em AO; vasos episclerais engurgitados e tortuosos em OD; fácico com opacificação em AO e média midríase fixa em OE. Tonometria OD: 30mmHg e OE: 18 mmHg. Fundoscopia OD: escavação 0,95 x 0,95; presença de persistência de fibras de mielina em região inferior. OE: presença de tortuosidade vascular importante, associado à hemorragia em chama de vela nos quatro quadrantes, escavação total e hemorragia de disco. Paquimetria em OD: 513µm e OE: 522µm. Campo visual normal. Gonioscopia: aberto até EE em todos os quadrantes em AO. TSH OD: 36/36/37mmHg e OE: 14/16/16mmHg. Ressonância mostrou veia oftálmica com diâmetro aumentado.
Foi solicitado arteriografia e instituído terapia hipotensora máxima em OD. Após 30 dias, paciente retorna assintomática, sem mudanças na biomicroscopia e tonometria de 38/14mmHg. Foi prescrito Diamox 4x/dia e cirurgia infiltrante.

Conclusão

Fístulas carótido-cavernosas (FCC) caracterizam-se por comunicações anormais entre a artéria carótida e o seio cavernoso, devido a rotura espontânea ou traumática da artéria, sendo a última mais comum. As FCC são pouco frequentes e, então,erroneamente diagnosticadas, podendo levar a mistura de sangue arterial e venoso e o consequente aumento da pressão venosa episcleral, gerando um aumento da pressão intraocular. O tratamento é, em alguns casos, conservador, podendo ocorrer a oclusão espontânea. Entretanto, intervenção cirúrgica, como a embolização endovascular, pode ser indicada para paciente com redução da acuidade visual, proptose exuberante, glaucoma ou piora da condição clínica

Área

Oftalmologia

Autores

GRETA PALACIO PAULINO, BRUNA DE ALBUQUERQUE MARANHAO SUCUPIRA SALVADOR, DAVYSON SAMPAIO BRAGA