IX Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELAÇÃO ENTRE ALTOS NÍVEIS DE CREATINOQUINASE E LESÕES ENTRE ATLETAS DE FUTEBOL PROFISSIONAL: UM ESTUDO TRANSVERSAL

Resumo (máximo 3000 caracteres com espaço)

Introdução: As análises bioquímicas tem auxiliado os profissionais da área do esporte no melhor controle do treinamento e na minimização do afastamento dos atletas por estresse muscular. A Creatinoquinase (CK) é uma enzima que catalisa reações com transferências de energia com fosforilação reversível da creatina, geralmente está confinada no interior das células e sua concentração sérica é muito baixa. A CK tem sido utilizada como indicador de possível dano muscular, visto que, após a realização de exercício intenso e exaustivo ou lesões musculoesqueléticas ocorrem danos nas fibras musculares, bem como a liberação da CK na corrente sanguínea, ocasionando um aumento considerável em sua concentração sérica. Objetivo: verificar a relação entre altos níveis de CK e atletas de futebol profissional que apresentaram lesões durante um período de 6 meses de competição e treinos. Métodos: Estudo transversal analítico as amostras foram coletadas de atletas de uma equipe profissional de futebol da cidade de Goiânia composta por 34 jogadores. Os atletas foram acompanhados durante um período de 6 meses, realizando a coleta dos dados de lesão diariamente, foi considerado lesão qualquer alteração que comprometia o atleta em exercer sua função podendo ser afastamento em um único treino ou partida oficial. A CK dos atletas foi coletada em um período de 48 horas após partida oficial ou lesão dos atletas. A análise estatística foi realizada no SPSS (Statistical Package for Social Sciences), versão 25.0. Foi realizada a correlação de Pearson. Resultados: foram encontradas relações entre a quantidade total de lesão e a maior média de CK (r=0,523; p =0,001) apresentando forte correlação e para lesões não traumáticas (r=0,384; p=0,021) apresentando correlação moderada. A quantidade de lesão influenciou na maior média de CK (p<0,05). Conclusão: há relação entre a quantidade de lesão e a média de CK. Quanto maior a quantidade de lesões, maior a média de CK presente nos atletas. Se faz necessário novos estudos para que seja verificado a relação do CK como um fator de risco para a lesão visto que há uma associação do mesmo com o número de lesão tanto de origem traumática como não traumática.

Palavras-chave (máximo 3)

Fisioterapia; Atletas; Futebol.

Área

Prevenção

Autores

João Pedro Silva carto, José Roberto Souza Junior, Renan Lima Pinto, Danilo Alex Barboza, Igor Soalheiros, Thiago Vilela Lemos