V Congresso Cearense de Infectologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

STEVENS-JOHNSON ASSOCIADA A SULFADIAZINA EM PACIENTE HIV+ EM TRATAMENTO PARA NEUROTOXOPLASMOSE E TUBERCULOSE: RELATO DE CASO

Resumo estruturado

INTRODUÇÃO: A Síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) é um distúrbio inflamatório agudo e sistêmico incomum em que se observam alterações oculares, na pele e mucosas. O quadro comumente é ocasionado por reação adversa à administração de inúmeras drogas, dentre eles destacam-se os antibióticos e anti-inflamatórios não esteroidais (AINES). RELATO DE CASO: Paciente, sexo masculino, 25 anos, HIV+, iniciou acompanhamento no Hospital São José (HSJ) em setembro de 2017 com quadro de tuberculose (TB) pulmonar e ganglionar. Apresentava má adesão ao tratamento da tuberculose e TARV retornando para consulta em junho de 2018 com quadro de tosse produtiva, rebaixamento do sensório, desorientação e dificuldade para deambular associada à hemiparesia à esquerda. Foi internado, sendo realizado TC de crânio que revelou imagens compatíveis com neurotoxoplasmose em atividade, sendo então iniciado tratamento com sulfadiazina e pirimetamina, bem como rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol para TB. Recebeu alta 15 dias depois com tratamento ambulatorial da neurotoxoplasmose e TB, mas um mês depois retornou ainda sem ter iniciado TARV, apresentando quadro de febre diária não mensurada, rash cutâneo difuso descamativo, com predominância de máculas eritematosas, descamativas e dolorosas difusas, incluindo palmas de mãos e plantas de pés, afetando inclusive mucosa oral. Persistia com tosse produtiva com secreção esverdeada, evoluindo com disfagia para líquidos. Evoluiu com picos febris diários, taquipneia e choque séptico e insuficiência respiratória nos primeiros dias da internação, sendo necessária transferência para UTI, onde foi traqueostomizado. Na hipótese de síndrome de Stevens-Johnson devido sulfadiazina, optou-se pela transferência do paciente para o Centro de Queimados do Instituto Doutor José Frota para abordagem do quadro dermatológico. Entretanto, o paciente retornou pouco tempo depois para a UTI do HSJ com infecção respiratória grave por pseudomonas multirresistente identificada no lavado broncoalveolar, infecção do trato urinário por acinetobacter multirresistente (sensível somente à aminoglicosídeo) e cândida. Evoluiu com distúrbio hidroeletrolítico grave com poliúria, hipocalemia refratária, hipocalcemia e hipomagnesemia por acidose tubular renal por uso de polimixina B, vindo a óbito depois de 1 mês depois da última transferência. CONCLUSÃO: Apesar de a SSJ ser um quadro incomum, é causada importante de morbimortalidade, principalmente quando associada à outras patologias. A SSJ apresentada representou fator de descompensação relevante e possivelmente interferiu diretamente no desfecho do paciente. No caso apresentado outros fatores além da SSJ foram importantes para o desfecho, desde a má adesão do paciente aos tratamentos oferecidos até as complicações respiratórias e hidroeletrolíticas que surgiram em seguida no ambiente de terapia intensiva.

Palavras-chave (máximo 3)

Stevens-Johnson, Sulfadiazina

Área

Miscelânea

Autores

Andeson Abner de Sousa Leite, Francisca Lillyan Chrystian Nunes Beserra, Lucas de Menezes Galvão, David Mendes de Melo, Janaila Maria de Aguiar Silva, João Gabriel Vale de Carvalho, Luís Arthur Brasil Gadelha Farias, Evelyne Santana Girão