V Congresso Cearense de Infectologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

SINDROME RESPIRATORIA AGUDA GRAVE NO CEARA: O QUE HA DE NOVO?

Resumo estruturado

Introdução: A síndrome respiratória aguda grave (SRAG), caracterizada por febre alta, tosse e dispnéia. Dentre os principais agentes etiológicos que podem causar a SRAG estão os vírus influenza, dengue, vírus sincicial respiratório, adenovírus, e outros agentes (pneumococos, outras bactérias, Legionella sp., etc.). São considerados fatores de risco para manifestações graves: imunodepressão, doença crônica (diabetes, insuficiência cardíaca, doença pulmonar, renal, hepatite, hematológica ou neurológica crônica), obesidade e gestação. A vigilância da SRAG acontece no Brasil desde 2011 e busca identificar casos graves de SRAG e detectar início da circulação do novo agente etiológico. Nesse sentido é importante conhecer o perfil de acometimento e ocorrência como forma de intervir com medidas preventivas e de controle de possíveis epidemias. Objetivos: Descrever os casos de SRAG no Ceará, nos anos de 2009 a 2018, buscando mudança no perfil de acomentimento. Métodos: Foi realizado estudo epidemiológico, descritivo, retrospectivo, dos dados da vigilância sentinela da SRAG no Estado do Ceará, Nordeste do Brasil. Na descrição dos casos foram consideradas variáveis relativas ao tempo, pessoas e lugar. Os dados foram coletados por meio do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde do Brasil, módulo online e do Sistema de Gerenciamento de Ambiente Laboratorial (GAL) do Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (LACEN) e da planilha de Monitoramento dos casos de SRAG utilizada pela Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Resultados: No Ceará, entre os anos 2009 e 2018, foram notificados 4.935 casos de SRAG. Destes, 17,3% (857/4.935) foram confirmados para influenza, 13,4% (650/4.935) para outros vírus respiratórios, 6,1% (302/4.935) outros agentes etiológicos, 38,0% (1.875/4.935) das SRAG não foram especificadas. Considerando somente os casos de SRAG que tiveram algum agente etiológico identificado no Ceará, a influenza é o mais importante agente causador da SRAG, principalmente a partir de 2013. Entre os casos de SRAG por influenza, 70,5% (602/857) eram do tipo A e 10,2% (86/857) eram do tipo B. o ano de 2018 apresentou o maior número de casos de SRAG notificados, com 30,1% (1488/4935), o maior número de casos confirmados por influenza, com 52% (445/857), e a maior incidência de SRAG por influenza, com 4,96 casos por 100 mil habitantes. Embora os padrões de ocorrência sejam semelhantes, a principal diferença é que os acometidos por outros vírus respiratórios estão nos primeiros meses de vida. Foram notificados casos de SRAG em 58,6% (108/184) dos municípios do Estado do Ceará, principalmente em Fortaleza, capital do estado que concentrou 41,2% (2.030/4.935) de todas as notificações. Nos meses de 2018, a influenza foi responsável maior parte dos casos de SRAG com agente etiológico identificado.

Palavras-chave (máximo 3)

SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), Influenza e Epidemiologia

Área

Doenças tropicais

Autores

Bárbara Lima Parente, Daniele Rocha Queiroz Lemos, Samuel Bitu De Almeida, Clarissa Maria Gonçalvez Machado, Samuel Gonçalves Machado, Marcelo victoor Mendonça Uchoa Portela