V Congresso Cearense de Infectologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

SIFILIS CONGENITA: UM RELATO DE CASO

Resumo estruturado

INTRODUÇÃO: A Sífilis é uma doença infectocontagiosa, sexualmente transmissível, causada pela bactéria Treponema pallidum. A infecção durante a gestação é um grave problema de saúde pública, responsável por altos índices de morbimortalidade intrauterina, pois está associada ao parto prematuro, baixo peso ao nascer, anomalias congênitas, óbito fetal e neonatal, além de sequelas em longo prazo, a exemplo de surdez e comprometimento neurológico. Na sífilis congênita, a infecção pode ser transmitida ao feto via hematogênica em qualquer estágio gestacional ou por transmissão direta, quando houver lesões genitais maternas e a criança entrar em contato com o canal do parto. Apesar da facilidade diagnóstica e da eficácia do tratamento com uma dose única de preparações de Penicilina de ação prolongada, como a Penicilina G Benzatina, a sífilis está ressurgindo como um problema de saúde pública global. OBJETIVO: Descrever caso de sífilis congênita por transmissão vertical devido tratamento materno inadequado. MÉTODOLOGIA: Estudo descrito realizado no Complexo Hospitalar Materno Infantil do Maranhão em São Luís. RESULTADO/DISCUSSÃO: M.V.R.S, sexo feminino, 07 meses, parda, nascida em 18/03/2018, natural de São Luís e residente do Município de Maracaçumé – MA. RN prematuro, parto vaginal, 35 semanas, 2300g, 29 cm de perímetro cefálico, comprimento 44 cm, Apgar 1° min: 06; 5° min: 07. Após o nascimento ficou internada por 23 dias com diagnóstico de Sífilis Congênita. Paciente apresentou reflexos primitivos: preensão palmar, preensão plantar, Babinski, Moro, reflexo tônico cervical, e marcha reflexa. Ao exame físico observou-se lesões na pele, palmoplantares e relatos de crises convulsivas. Encaminhada ao serviço de Infectologia para realização de exames laboratoriais – LCR, apresentando aumento de celulariedade e proteínas, VDRL 1:1. Paciente foi internada e inicio da antibioticoterapia. Evoluiu bem, devido ao nível baixo dos títulos, sendo liberada para o acompanhamento ambulatorial. Retornou após 3 meses para consulta e os exames laboratoriais apresentaram títulos inferiores, mas clinicamente bem. Mãe realizou tratamento com Penicilina durante a gestação, todavia o pai não recebeu tratamento, sucedendo a reinfecção da mãe, transmitindo ao feto. Durante a gestação foi acometida por ITU. Mãe foi tabagista, etilista e sofreu de violência doméstica do esposo ao longo da gestação. A Sífilis está ressurgindo como problema de saúde global por falta da Penicilina G Benzatina, devido a sua escassez no serviço público de saúde. A abordagem correta é essencial para melhor prognóstico do paciente. A assistência básica de saúde é responsável pelo acompanhamento pré-natal adequado, evidenciando casos mesmo sem história sexual de risco, realizando a sorologia e orientando o tratamento do casal.

Palavras-chave (máximo 3)

Gestação, Pré-natal, Tratamento

Área

Infecções Sexualmente Transmissíveis

Autores

Jordão Carvalho Barbalho, Amanda Carvalho Barbalho, Laísa Brenda Corrêa Santos, Larissa Balby Costa, Isabella Fróes Souza, Ingrid Albuquerque Araujo Gomes Self, Clarissa Pires Lobato, Maria Perpetuo Socorro Balby Pires Pires