V Congresso Cearense de Infectologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE DO PERFIL EPIDEMIOLOGICO DOS CASOS CONFIRMADOS DE RAIVA HUMANA NO CEARA NO PERIODO DE 2007 A 2017.

Resumo estruturado

ANÁLISE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS CONFIRMADOS DE RAIVA HUMANA NO CEARÁ NO PERÍODO DE 2007 A 2017

A raiva é uma encefalite viral aguda, que pode atingir indistintamente todas as faixas etárias. Essa doença tem um caráter importante no que tange à saúde pública, visto que ela é fatal em aproximadamente 100% dos casos. Essa doença pode ser transmitida por cães e gatos domésticos, alguns animais silvestres, e, principalmente por morcegos, hematófagos ou não. O vírus da raiva, após ter adentrado o organismo, se dissemina dos nervos periféricos em direção ao sistema nervoso central e, provoca anormalidades na neurotransmissão. Os dados utilizados nesse estudo foram obtidos a partir do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), os quais foram analisados quanto ao ano do início dos primeiros sintomas, região de residência, raça, sexo, faixa etária, profilaxia pré/pós-exposição e se o animal era vacinado. Trata-se de um estudo ecológico e retrospectivo. De 2007 a 2017, o Ceará teve 3 casos confirmados de raiva humana, e os pacientes eram provenientes das regiões de Sobral (2010), Camocim (2010) e Brejo Santo (2012). Destes casos, 2 indivíduos eram de raça parda e um de raça branca. Todos os indivíduos acometidos eram do sexo masculino. As faixas etárias variaram de 5-9 anos, 10-14 anos e 20-29 anos. Nenhum indivíduo havia feito profilaxia pré-exposição e pós-exposição. Em dois deles, o animal não era vacinado e em um dos casos a pergunta foi ignorada. Em relação ao período de 2001 a 2006, foram confirmados 10 casos de raiva humana, sendo 3 na região de Fortaleza, 3 em Caucaia, 1 em Maracanaú, 2 em Itapipoca e 1 em Cascavel. Em relação a raça, 9 dos casos foram ignorados e um se deu em indivíduo pardo. Foram acometidos 7 indivíduos do sexo masculino e 3 do sexo feminino. Foram confirmados 2 casos em indivíduos de 1-4 anos, 1 caso em de 10-14 anos, 1 caso em de 15-19 anos, 3 casos em de 20-39 anos, 2 casos em 40-59 anos e 1 caso em 80 ou mais anos. Um dado relevante em relação aos casos de 2001 a 2006 é que em 9 casos o animal agressor era um canino e em um caso era um primata (macaco). Desse modo, percebe-se que houve uma redução significativa na quantidade de casos de raiva humana durante o período considerado, e isso pode ter como explicação as campanhas de vacinação de humanos e animais domésticos, que devem continuar tendo seu caráter profilático incentivado.

Palavras-chave (máximo 3)

Infectologia; Prevenção e controle.

Área

Doenças tropicais

Autores

Enan Henrique Batista Cavalcante, Ana Roberta Silveira Castro, Thais Macêdo Feijó Lima Teixeira, Edilson Lopes de Oliveira Júnior, Ana Beatriz Tomaz Parente, Lucas Nunes Ferreira Andrade